Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

Portal Tudo Farma – Maio, 2015

Parcerias estrangeiras e relações estreitas com o varejo foram alguns dos fatores que fizeram a multinacional suíça permanecer na primeira posição do ranking Mais Valor Produzido (MVP), criado pela Dom Strategy Partners Intuito da pesquisa é analisar a interação das empresas com os seus diferentes públicos

O mercado farmacêutico fechou o último ano em baixa. Ainda não saiu o resultado do PIB de 2014, mas estima-se que a recessão prevaleça em torno de 0,5%, conforme analise da IMS Health. Mesmo diante deste cenário em queda, a Roche foi a farmacêutica que mais produziu valor tangível e intangível aos seus stakeholders. Os dados são da atual edição do ranking MVP (Mais Valor Produzido) Brasil – Farmacêutico, criado pela DOM Strategy Partners, consultoria 100% nacional focada em estratégia corporativa.

Além da Roche, que alcançou a nota 7,90 – três centésimos abaixo da pontuação do ano passado- a listagem segue com a Novartis em segundo lugar tendo a pontuação de 7,88; atrás vem a Pfizer (7,83) e a Sanofi-Aventis e a Libbs fecham o ranking com 7,78 e 7,70, respectivamente. Neste ano, a novidade da lista é a presença da Libbs que estreou ocupando o lugar que era da atual vice campeã.

“No ultimo ano, as farmacêuticas lançaram novas moléculas em parceria com laboratórios estrangeiros, a indústria estreitou relações com o varejo, fortalecendo o trade marketing. Toda essa movimentação serviu de base para mensurar como estas empresas se comunicaram, construíram e mantiveram a capacidade para gerar e proteger valor aos seus diferentes públicos”, explica Daniel Domeneghetti, CEO da DOM Strategy Partners, a autor da pesquisa.

Para chegar ao resultado final, o estudo avaliou ativos como Eficácia da Estratégia Corporativa, Resultados Gerados, Crescimento Evolutivo, Valor das Marcas, Qualidade de Relacionamento com Clientes, Governança Corporativa, Sustentabilidade, Gestão de Talentos, Cultura Corporativa, Inovação, Conhecimento, Grau de Transformação e Uso das Tecnologias Digitais, dentre outros.

Para viabilizar a pesquisa, a consultoria se apoiou na metodologia EVM (Enterprise Value Management), tática que defende a tese de que o valor produzido pelas empresas, tanto gerado, como protegido, seja este tangível ou intangível, é agregado (ou destruído) e materializado (quantificado) em função da percepção de valor apreendida e materializada pelos stakeholders.

A partir da premissa do conceito EVM, as principais companhias farmacêuticas passaram por uma avaliação de 0 a 10 em relação às suas performances nos ativos tangíveis e intangíveis, selecionados como direcionadores de geração e/ou proteção de valor pelas empresas. O levantamento e o resultado analítico também uniu uma série de interações, pesquisas e monitorias feitas pela DOM com os diferentes públicos das empresas mais relevantes dos setores.

A resposta sobre capacidade de cada empresa gerar e proteger valor para si e para esses públicos foi feita a partir da quantificação das quatro dimensões que definem o Valor Corporativo de uma companhia: Resultados, Reputação (definida como Credibilidade/Imagem), Competitividade e Riscos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete + 11 =

Scroll to Top