Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

Inovar Sem Limites… mas Focando em Resultados

“Há um pequeno problema. Karl Marx estava certo.” (Funky Business, p. 18)

Grande parte das questões da chamada era pós-industrial resumem-se implicitamente nessa sentença, o que pode, à primeira vista, parecer contraditório. Afinal, estamos na época do triunfo do capitalismo. Mas, de fato, Marx tinha razão quando pensava que os trabalhadores assumiriam o poder; eles detêm, hoje, o principal meio de produção de riqueza: o consumo. Através da escolha entre uma empresa e outra, um produto e outro, o trabalhador-consumidor decide aos poucos quem sobrevive e quem morre no mercado.

Essa questão provoca uma total mudança de cenário. Torna-se necessária uma total reformulação nas filosofias empresariais. Estamos lidando com situações complexas, que exigem todo tipo de raciocínio com o único objetivo de atingir o cliente. Muitos atribuem esse papel erroneamente apenas à propaganda e às vendas. Não percebem que, na verdade, a orientação para o mercado penetra e abala a própria espinha dorsal da instituição.

Uma primeira questão a ser levantada diz respeito à matéria-prima do futuro: o cérebro… e, com ele, a inovação. O funcionário deixa de ser braços e mãos e passa a ter valor por sua capacidade em ter ideias. Uma empresa só se diferencia de outra pelo mix de ideias que patrocina, movimenta e implementa.

Quanto mais ideias, mais diferenciada uma empresa pode se tornar. Diante disso, as empresas mais perspicazes buscam atrair e investir em talentos, formando equipes extremamente dotadas de potencial criativo. Mas não é tudo tão simples assim: isso deve alterar as relações de trabalho e produção de modo significativo. Grandes talentos não querem trabalhar em empresas que podam sua atuação e proíbem sua expressão, atrapalhando o trabalho com problemas burocráticos e irrelevantes. Grandes talentos querem autonomia para agir, ter idéias e falar.

A liderança, portanto, deixa de ser o título de gerente e passa para o nível do potencial de inspirar os talentos com sonhos e lhes fornecer o que for necessário para seu trabalho. Jack Welch manifestou esse insight com o plano de eliminar o elemento “chefe”. Seu ideal era criar uma grande meta e abrir espaço para as idéias, o que aos poucos passou a ser estimulado com o Work-out: todos os funcionários deveriam participar do processo de solução de problemas, desobstruindo seu caminho e o caminho da GE. Essas práticas aumentaram a produtividade e a agilidade da empresa, além de trazer uma motivação e remunerações/premiações extras para os funcionários.

Somando-se a desburocratização a esse quadro, o caminho fica livre para o crescimento real. As empresas de futuro devem ser ágeis, porque o mercado é ágil. Com a Internet e o desenvolvimento das redes colaborativas, surge uma expectativa de mundo instantâneo e resposta em tempo real que devem ser supridas, a começar pela comunicação dentro da própria empresa. Uma maior integração promove maiores resultados. E a burocracia representa um muro de papel no meio do caminho. O tempo é dispensado com protocolos, a produtividade cai. Por isso, todo o “papel” que atrapalhe deve ser jogado fora.

Uma outra questão, não totalmente isolada, mas igualmente primordial, é o surgimento da empresa global. As empresas globais possuem empreendimentos globais e assim se fortalecem diante da competitividade. Perseguem qualidade global. A GE, ao implantar a metodologia de qualidade Seis Sigma, estava com qualidade superior à da concorrência, mas não estava com qualidade internacional. Uma empresa, para ser global, deve buscar a excelência como uma obsessão e ser a primeira da fila, pois o vencedor leva tudo. Trata-se de perceber e aproveitar as oportunidades, se auto-avaliar e reavaliar, ser a “número um ou número dois”, no máximo. Eliminar qualquer atividade em que não haja destaque ou não se desenvolvam as competências necessárias para ter destaque é imperativo.

A exigência é pelo melhor. Os melhores talentos, os melhores líderes, os melhores produtos, a melhora empresa. A melhor comunicação, para informar ao público todas essas qualidades. O cliente espera o melhor de uma empresa para aceitá-la e permitir que ela sobreviva. As expectativas não param de crescer e o limite é eternamente superado. É necessário ter uma cultura de aprendizado, para oferecer o ideal sempre, se auto-reformular.

Evoluir é conseguir aprender todos os dias, da portaria ao escritório do CEO, e com o que está fora da empresa igualmente. As organizações globais não podem ter fronteiras, geográficas, burocráticas ou de idéias. A mensagem do mercado é muito clara e se traduz com precisão nas palavras de Jack Welch: “Mude, antes que seja tarde”. É com esse espírito que os executivos devem encarar a realidade atual. E é com essa visão que a inovação deve fazer parte de seu cardápio diário.

Os comentários estão fechados.

Scroll to Top