Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

Proteste pede à Microsoft para suspender imposição de atualização para o Windows 10

Monitor Digital – Junho, 2016

A Proteste Associação de Consumidores notificou a Microsoft, no último dia 20, para suspender a imposição da atualização do sistema operacional para o Windows 10. Usuários relataram terem recebido diversas notificações em forma de pop-ups para fazer a atualização e outros foram surpreendidos com o início do processo. Outros disseram não conseguir nem mais utilizar o equipamento se não fizessem a atualização.

Na avaliação da Proteste, a atualização deve ser escolhida de forma consciente pelo consumidor, não devendo ser imposta como está ocorrendo. Houve casos em que por algum motivo a atualização danificou o programa responsável pelo suporte básico de acesso de entrada e saída do sistema operacional.

Quando do lançamento do Windows 10, alguns usuários do Windows 7, 8 e 8.1, foram informados pela Microsoft que este novo sistema operacional poderia ser obtido gratuitamente até 29 de julho próximo.
Mas ocorre que o sistema lança avisos com a data marcada, que é possível adiar, mas que reaparecem posteriormente. Os usuários que não veem estes avisos podem ser pegos de surpresa por um novo sistema operativo ao iniciar o computador.

Na notificação, foi pedida para a Microsoft reparar imediatamente os danos ocorridos em alguns programas dos consumidores e adotar providências para que pare de impor a atualização do sistema operacional.

Segundo a Proteste, “a conduta da empresa configura prática abusiva nos termos do artigo 39, incisos I, III e VI do Código de Defesa do Consumidor, que ocorre nos casos em que o fornecedor condiciona produtos ou serviços ao fornecimento de outros produtos ou serviços, também quando há a entrega ou execução de produto/serviço sem solicitação prévia do consumidor.”

Apple lidera pesquisa sobre empresas de bens duráveis que mais geram valor para seus públicos

Responsável pela maior revolução da indústria tecnológica e do entretenimento, a Apple arrebatou milhões de fãs em quarenta anos de atividade, comemorados em abril deste ano. No Brasil não é diferente, a empresa de Steve Jobs sempre é lembrada em listas sobre preferências dos consumidores ou funcionários.
A edição 2016 do ranking Mais Valor Produzido – Bens de Consumo Duráveis, da DOM Strategy Partners.

A pesquisa avaliou a indústria de bens de consumo duráveis com o objetivo de mensurar o quanto as companhias do setor produzem valor tangível e intangível a partir da percepção, avaliação e recomendação de seus stakeholders. Além dos consumidores, foram ouvidos clientes, acionistas e funcionários que elegeram, por meio de um questionário, as cinco companhias do setor de bens de consumo duráveis que mais produziram valor a partir da percepção, avaliação e recomendação das diversas camadas de usuários. As cinco mais lembradas na pesquisa foram Apple, Whirlpool, Samsung, LG e Electrolux.

O ranking MVP (Mais Valor Produzido) Brasil – Bens de Consumo Duráveis avaliou ativos como eficácia da estratégia corporativa, resultados gerados, crescimento evolutivo, valor das marcas, qualidade de relacionamento com clientes, governança corporativa, sustentabilidade, gestão de talentos, cultura corporativa, inovação, conhecimento, grau de transformação e uso das tecnologias digitais, dentre outros.

Segundo Daniel Domeneghetti, CEO da DOM e autor da pesquisa, a liderança da Apple é por conta da evolução que teve no Brasil no último ano com a iniciação da fabricação do iPhone 6 em território nacional, por exemplo. Essa movimentação fez a empresa criar novos canais e estratégias para suportar a demanda vinda por todas os grupos de stakeholders. Todos saíram ganhando, do acionista ao consumidor final.

A liderança da Apple é por conta da evolução que teve no Brasil no último ano com a iniciação da fabricação do iPhone 6 em território nacional, por exemplo. Essa movimentação fez a empresa criar novos canais e estratégias para suportar a demanda vinda por todas os grupos de stakeholders. Todos saíram ganhando, do acionista ao consumidor final – explica Daniel Domeneghetti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + doze =

Scroll to Top