Grupo ECC E-Consulting Corp. DOM Strategy Partners Instituto Titãs Inventures

Crise das patinetes: por que Grow e Lime reduziram operação no Brasil

Veja, Janeiro, 2020

Rota interrompida. A Grow, startup de compartilhamento de bicicletas e patinetes elétricos, anunciou na quarta-feira 22 que está encerrando suas operações em catorze cidades do país. A companhia, resultante da fusão entre Grin e Yellow em 2019, informou que a medida faz parte de um processo de reestruturação em busca de um “ajuste operacional”. Somente Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) continuarão com a oferta de compartilhamento de patinetes da empresa – as bicicletas, por sua vez, estão temporariamente fora de circulação.

“Planejar essa reestruturação nos colocou diante de decisões difíceis, porém necessárias para aperfeiçoar a oferta de nossos serviços”, disse Jonathan Lewy, CEO da Grow, em comunicado da empresa. “A micromobilidade é fundamental para revolucionar a forma como as pessoas se locomovem nas metrópoles e continuamos acreditando que esse mercado tem espaço para crescer na região.” As cidades que serão afetadas com a decisão são: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), Guarapari (ES), Porto Alegre (RS), Santos (SP), São José (SC), São José dos Campos (SP), São Vicente (SP), Torres (RS), Vila Velha (ES) e Vitória (ES).

A disponibilidade do modal se tornou uma sensação em regiões com alto fluxo de passageiros da capital paulistana, como a Avenida Faria Lima. Há pouco tempo, as bicicletas amarelas da Yellow tomavam as ciclovias da região, o que impulsionou o potencial desse mercado. Em suma, elas representam o novo estilo de vida das pessoas que trabalham e moram em grandes centros urbanos e buscam mais envolvimento com a natureza, praticidade e desapego. Até por isso, a consultoria Roland Berger projeta que o segmento se consolidará, movimentando cerca de 8 bilhões de dólares globalmente em 2021.

Isso, porém, está longe da realidade atual. Com uma frota de aproximadamente 135 mil patinetes e bicicletas em sete países da América Latina, o enxugamento da operação da Grow no Brasil coloca dúvidas sobre o futuro deste mercado. Há poucos dias, sua rival americana, a Lime, também reviu a estratégia para “alcançar sustentabilidade financeira” e optou por encerrar sua operação na América Latina. “Esse é um mercado de nicho, com pouca adesão”, diz Daniel Do

Problemas como a falta de segurança e o baixo poder aquisitivo da população brasileira fora dos grandes centros urbanos ainda são entraves para que esse segmento deslanche. “São poucas as pessoas que têm predileção para acordar mais cedo para se deslocarem de bicicleta ou de patinete. O mercado de modal brasileiro ainda está muito ancorado em carros e motocicletas”, afirma Domeneghetti.

Soma-se aos fatores de desgaste para as empresas o cerco fechado pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que inseriu diversas ações para regulamentar a prática em 2019. Ficou definido, por exemplo, que as companhias seriam responsáveis por criar campanhas educativas para conscientizar os usuários sobre condução defensiva, oferecer capacetes de proteção, além de recolher equipamentos “largados” pelas ruas da cidade.

Em casos de descumprimento da lei, as empresas teriam de arcar com multas de 500 reais a 20 mil reais. Essas ações não são apenas uma implicância dos órgãos públicos. Segundo um levantamento do departamento de saúde pública de Austin em parceria com o Centro de Controle e Prevenção dos Estados Unidos, realizado em 2018, as patinetes motorizados causam vinte acidentes a cada 100 mil corridas. Pode parecer pouco, mas, em alguns casos, as vítimas morreram. Sinal de alerta aceso.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =

Scroll to Top